"O inimigo mais perigoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo." ( Friedrich Nietzsche )

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Insônia

Não durmo, nem espero dormir.
Nem na morte espero dormir.
Espera-me uma insônia da largura dos astros,
E um bocejo inútil do comprimento do mundo.

Não durmo; não posso ler quando acordo de noite,
Não posso escrever quando acordo de noite,
Não posso pensar quando acordo de noite —
Meu Deus, nem posso sonhar quando acordo de noite!

Ah, o ópio de ser outra pessoa qualquer!

Não durmo, jazo, cadáver acordado, sentindo,
E o meu sentimento é um pensamento vazio.
Passam por mim, transtornadas, coisas que me sucederam
— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo;
Passam por mim, transtornadas, coisas que me não sucederam
— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo;
Passam por mim, transtornadas, coisas que não são nada,
E até dessas me arrependo, me culpo, e não durmo.

Não tenho força para ter energia para acender um cigarro.
Fito a parede fronteira do quarto como se fosse o universo.
Lá fora há o silêncio dessa coisa toda.
Um grande silêncio apavorante noutra ocasião qualquer,
Noutra ocasião qualquer em que eu pudesse sentir.

Estou escrevendo versos realmente simpáticos —
Versos a dizer que não tenho nada que dizer,
Versos a teimar em dizer isso,
Versos, versos, versos, versos, versos...
Tantos versos...
E a verdade toda, e a vida toda fora deles e de mim!

Tenho sono, não durmo, sinto e não sei em que sentir.
Sou uma sensação sem pessoa correspondente,
Uma abstração de autoconsciência sem de quê,
Salvo o necessário para sentir consciência,
Salvo — sei lá salvo o quê...

Não durmo. Não durmo. Não durmo.
Que grande sono em toda a cabeça e em cima dos olhos e na alma!
Que grande sono em tudo exceto no poder dormir!

Ó madrugada, tardas tanto... Vem...
Vem, inutilmente,
Trazer-me outro dia igual a este, a ser seguido por outra noite igual a esta...
Vem trazer-me a alegria dessa esperança triste,
Porque sempre és alegre, e sempre trazes esperança,
Segundo a velha literatura das sensações.

Vem, traz a esperança, vem, traz a esperança.
O meu cansaço entra pelo colchão dentro.
Doem-me as costas de não estar deitado de lado.
Se estivesse deitado de lado doíam-me as costas de estar deitado de lado.
Vem, madrugada, chega!

Que horas são? Não sei.
Não tenho energia para estender uma mão para o relógio,
Não tenho energia para nada, para mais nada...
Só para estes versos, escritos no dia seguinte.
Sim, escritos no dia seguinte.
Todos os versos são sempre escritos no dia seguinte.

Noite absoluta, sossego absoluto, lá fora.
Paz em toda a Natureza.
A Humanidade repousa e esquece as suas amarguras.
Exatamente.
A Humanidade esquece as suas alegrias e amarguras.
Costuma dizer-se isto.
A Humanidade esquece, sim, a Humanidade esquece,
Mas mesmo acordada a Humanidade esquece.
Exatamente. Mas não durmo.

Álvaro de Campos

9 comentários:

MUTUMUTUM disse...

Lindo texto... e uma linda mulher na foto, rssss o/

Beijão o/

Neide disse...

E linda a sua presença aqui também!! Apareça sempre Mutum, você foi o primeiro visitante deste espaço e presente até hoje, é sempre um enorme prazer tê-lo por perto!!

Beijos!

Neide disse...

Ah, a mulher é a Lisa Lyon, também gosto muito das fotos dela...

Anônimo disse...

Com uma mulher desta a gente perde o sono mesmo, né?
Senti firmeza, Tia Neida.
Mas o texto é muito triste, gosto de alegria.
Beijão, Tia Neida

Zacarias

Sr do Vale disse...

A poesia é assim, as vezes nos pega em pontos fracos, e nos traz a realidade com força, chocante, desconsertante.


Neide, boa noite.
Infelizmente, perdi seu endereço de e-mail, por isso vou utilizar este espaço, pra fazer uma coisa que já faz algum tempo estou tentando fazer e não consigo (as vezes a gente anda meio truncado ou acanhado, sei lá).
Em meu nome e em nome de alguns amigos, gostaria de convidar-lhe a fazer parte do Partículas do Pessoal.
Tenho um carinho e uma gradidão especial a você que me convidou a fazer parte do LP, sei que andas atarefada, com tres blogs, sei que pra dar conta não é fácil, mas seria um prazer tê-la a nosso lado.
Nossa intenção é divulgar a arte, dar espaço para artistas que são ou não conhecidos, pra que tenhamos um papo mais cabeça, atemporal, e as vezes até informal.

bjs
SV

Sr do Vale disse...

Neide, ce tá di mau?

Neide disse...

Credo eu não, só vi estes últimos comentários agora...desculpe, ultimamente andei mais concentrada nos comments do Lágrima do que nos daqui...
Bom, obrigada pela consideração, vou pensar direitinho tudo bem? Não quero me comprometer e depois não dar conta de colaborar entende?

Obrigada mais uma vez pela lembrança, quando for assim, apareça na caixona ali de cima que eu respondo muito mais rápido.

Neide disse...

Mas, assim...eu teria liberdade total como aqui na temática? Pode postar material eroto-pornô-romântico também? hahahahahahahahaha

Sr do Vale disse...

Neide, olá, o material é a sua escolha, conheço o seu bom gosto!

Abraços.

P.S: ainda não me acostumei com a caixinha de recados.